O que se pode caracterizar como Homofobia?



A homofobia é um preconceito existente em pessoas contra os homossexuais ou a homossexualidade. A homofobia inclui também o ódio, a aversão, repulsa, nojo, enfim, qualquer sentimento contra a orientação sexual. Para entender melhor lembre-se que em grego “homo” significa “igual”, e “fobia” significa “medo”, sendo assim fica mais amplo seu significado.

A homofobia é como o racismo, por exemplo. Uma palavra para denominar o que uma pessoa preconceituosa sente. O termo “homossexualidade, ou homossexualismo” não existe mais, ambos foram banidos desde de 1992. O termo correto é orientação sexual e homoaefetivo.

A homofobia se manifesta de diversas maneiras, e em sua forma mais grave resulta em ações de violência verbal e física, podendo levar até o assassinato de uma pessoa. Nestes casos, a fobia, é uma doença, que pode até ser involuntária e impossível de controlar, em reação à atração, consciente ou inconsciente, por uma pessoa do mesmo sexo. A homofobia também é responsável pelo preconceito e pela discriminação contra pessoas LGBT, por exemplo no local de trabalho, na escola, na igreja, na rua, no posto de saúde e na falta de políticas públicas afirmativas que contemplem LGBT. A homofobia é típica de pessoas que, consciente ou inconscientemente, ainda têm muitas dúvidas e angústias sobre sua própria identidade sexual. Como mecanismo de defesa de sua insegurança, estas pessoas costumam ridicularizar e agredir os homossexuais. Casos muitos graves de homofobia levam o sujeito a fazer investidas como o assassinato de homossexuais.

O que pode se caracterizar como homofobia?

A homofobia se manifesta de várias maneiras, desde de um olhar com rejeição e ódio ao próximo, até as mais conhecidas como agressão verbal e física, essa patologia de homofobia internalizada é a negação da própria orientação sexual do agressor. Por ele não se aceitar a si mesmo pelo fato de ser também homossexual, tal medo é tão irracional e inconsciente que acaba descarregando sua energia negativa por meio de agressão e destruição. Essa fobia que significa medo está presente na cultura e na educação da nossa sociedade, pois mesmo nas pessoas que não têm tendência homossexual, a homofobia é manifestada por meio do preconceito, independente de nível social dessas pessoas. Poucas pessoas sabem o que é união homoafetiva.

Uma guerra entre Direito e Dogmas Religiosos

De um lado o direito protege a dignidade da pessoa humana e ampara os direitos das pessoas do mesmo sexo, do outro lado vivenciamos uma sociedade contaminada de preconceitos e demagogia. As autoridades reconhecem que faltam políticas públicas, e mais informações por parte das escolas, falta é reeducar a sociedade para atualidade do dia-a-dia.

O STF (Supremo Tribunal Federal) reconheceu no dia 05/05/2011, em decisão unânime, a equiparação da união homossexual à heterossexual.

Agora o problema está na sociedade, pois falta uma pedagogia legislativa e educacional nas escolas, abordando temas sobre sexualidade, está na hora de entender que estamos em pleno século XXI, e que seus filhos precisam ser educados com base na realidade, alguns pais têm tabu de falar em sexo na frente dos filhos, pois sabemos que esses pais foram educados com valores dogmáticos religiosos, por exemplo na visão da igreja católica sexo é sinônimo de reprodução, assim, em seus ensinamentos o casamento entre um homem e uma mulher não está inteiramente ligado ao amor, mas sim a reprodução por meio do sexo. Observe que tal preconceito dessas pessoas em relação à união homoafetiva está associado a reprodução humana, mas nem sempre o casamento.

A união homoafetiva, nos dias atuais passa por uma fase de abertura com tendência a aceitação no meio social, e principalmente, regularização constitucional. Hoje a orientação sexual não é mais considerada como uma doença, mas é sim uma realidade que deve ser encarada sem preconceito e com maturidade pela sociedade, que insiste na rejeição, utilizando como argumento a conservação dos valores de família, cultuados pela igreja.

Escritor de novelas da Globo, Aguinaldo Silva mais uma vez fez depoimento polêmico, em entrevista à revista Veja. Ao falar sobre seu próximo trabalho, que será exibido às 21h, o autor provou que não mede as palavras na hora de dizer o que pensa. Ao ser questionado sobre o que mais faz o público se afastar das novelas ele afirmou que o motivo seria a quantidade de homossexuais nas histórias. "O povo não aguenta mais viado em novela. Chega! Tem muito. Tem novela que tem seis viados", declarou o escritor.

Aguinaldo criticou ainda a maneira como as personagens são construídas, alegando serem sem graça. "Geralmente os gays [das novelas] são todos iguais. São cópias dos héteros: querem casar, ter romance, engravidar e parir um filho em nove meses. São gays chatos", disparou.

Sobre o primeiro beijo gay na TV aberta, disse crer que há um complô que impede a sua realização. "Acho que tem uma torcida para que o beijo gay não aconteça, para que o assunto continue durando, mas as pessoas não aguentam esse assunto e, se depender de mim, ele acabou. A novidade é essa: não vai ter beijo gay em 'Fina Estampa', pode escrever", adiantou. Na nova novela, o personagem interpretado por Marcelo Serrado será um gay bastante caricato.

A respeito dos homossexuais brasileiros, Aguinaldo, que é gay assumido, falou sobre a maneira ousada como eles costumam agir. "Não tem lugar no mundo em que os gays sejam mais ousados do que no Brasil. Aqui os gays não respeitam as fronteiras. Eles chegam no hétero e cantam mesmo, e se colar, colou. Porém, existe essa hipocrisia de você não poder mostrar um beijo gay na televisão. Por debaixo do pano vale tudo, mas publicamente é essa coisa hipócrita. A sociedade brasileira é assim e a TV não quer correr o risco de perder o público", declarou

O autor ainda se declarou contra a postura de ONGs LGBTs e criticou a postura do Grupo Gay da Bahia, que costuma atacá-lo. "Tem um grupo gay da Bahia que diz que eu sou o inimigo número um dos homossexuais. Dizem que nas minhas novelas os homossexuais são estereotipados. Essas entidades são todas um saco, todas elas têm interesses econômicos, vivem à custa do governo ou daquelas empresas alemãs que por má consciência financiam qualquer coisa", atacou. Com a palavra, o GGB.

Aguinaldo Silva é o único autor a ter escrito somente novelas das nove. Ele criou sucessos como “Tieta”, “Fera Ferida” e “Roque Santeiro” (esta última, em coautoria com Dias Gomes) e estreia seu novo trabalho, “Fina Estampa”, dia 15 de agosto, na Rede Globo. Antes de ficar afogado em sinopses e roteiros, Aguinaldo participou de um bate-papo no projeto “Cenas de um autor”, nesta segunda-feira (18), no Rio de Janeiro, e falou sobre sua carreira sem censura.


 
 
 

0 comentários:

Postar um comentário