Bolsonaro diz que vai extinguir ou privatizar a EBC - Empresa Brasil de Comunicação


Bolsonaro diz que vai extinguir ou privatizar a EBC – Empresa Brasil de Comunicação, que engloba a TV Brasil. Das 43 estatais criadas pelo PT, a EBC está na lista de extinção por Bolsonaro. Cortar gastos desnecessários é uma das propostas de Jair Bolsonaro. Em entrevista à BAND ele deixa mais claro:  O senhor falou que não vai adiantar quais empresas que vão ser postas à venda.

"Eu posso adiantar uma para você. A EBC. Não tem cabimento gastar mais de R$ 1 bilhão por ano com uma televisão que tem traço de audiência".
Mas é a EBC toda ou só a TV Brasil?

Praticamente toda, acho que o governo não precisa desse aparato todo para se comunicar porque quando se precisa de uma boa comunicação tem as empresas de comunicação conhecidas de todos nós, que têm um alcance maior que a EBC “TV BRASIL”. Veja a entrevista no link:

Jair Bolsonaro, que assume a Presidência da República em 1º de janeiro de 2019, pretende extinguir ou privatizar a TV Brasil durante o seu governo. Ele acredita que não é vantajoso manter em sua gestão um órgão que "dá traço de audiência". A declaração foi dada ao jornalista Eduardo Ribeiro, da Record, durante entrevista concedida na noite desta segunda-feira (29).

A TV Brasil, jocosamente apelidada de TV do Lula, é o principal veículo da Empresa Brasil de Comunicação, a EBC. Ela foi criada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2007, com o objetivo de democratizar o acesso à informação. Foi a sucessora da TVE, que esteve no ar durante 32 anos. 

Tereza Cruvinel, ex-presidente da EBC e responsável pela implantação da emissora estatal, declarou em seu Twitter que o anúncio de extinção da TV Brasil "deforma o sistema público de comunicação" e que a decisão de Bolsonaro é um retrocesso. 
A rede de TV governamental, porém, nunca aconteceu. Nos últimos anos, só teve alguma relevância para o público com as notícias de greves e polêmicas. 
Em 2013, por exemplo, a emissora teve de recorrer à exibição de músicas em seu principal telejornal, o Repórter Brasil, porque cerca de 30% dos seus até então 2 mil funcionários estavam de braços cruzados.

No ano passado, o ator Pedro Cardoso abandonou ao vivo o programa Sem Censura e se juntou aos participantes de uma nova greve de funcionários. "Eu não participo de programas de empresas que estão em greve", discursou o eterno Agostinho da comédia A Grande Família (2001-2014).

Outro episódio em que a televisão pública conseguiu repercutir foi após a extinção do programa Arte do Artista, também no ano passado. A atração, que entrevistava personalidades das mais diversas áreas, foi cancelada sob o pretexto de ter sido atingida pela "crise financeira que vivia o país".


No Ibope, foram poucos os feitos que a TV Brasil conseguiu até hoje. Um deles foi em novembro de 2013, quando conseguiu ganhar da Globo no Recife com a transmissão da semifinal de uma partida da Série C do Campeonato Brasileiro.





 

0 comentários:

Postar um comentário